Time  2 days 4 hours 15 minutes

Coordinates 5111

Uploaded October 17, 2018

Recorded October 2018

-
-
7,239 f
3,055 f
0
5.0
9.9
19.85 mi

Viewed 971 times, downloaded 125 times

near Cascatinha, Rio de Janeiro (Brazil)

PETRÓPOLIS X TERESÓPOLIS

"A travessia Petrópolis-Teresópolis é um clássico nacional de caminhada e montanhismo, sendo por muitos considerada a travessia mais bonita do Brasil.
Com cerca de 30 km de extensão, a travessia da Serra dos Órgãos exige preparo físico e equipamento adequado. É necessária a presença de guia experiente, principalmente no trecho entre os Castelos do Açú e a Pedra do Sino." (ICMBio)

Observações importantes:

- O Parnaso é todo estruturado com placas, setas, totens, etc. Chega a ser quase indispensável a utilização de GPS. Dificilmente com um bom clima, alguém se perderá. Mas em situações adversas o risco é extremamente grande, principalmente no segundo dia de travessia.
- Existem vários pontos de água, e mesmo em época de seca, essa não é uma das maiores preocupações.
Após o Morro do Marco, inicia-se uma descida que leva até o vale da Luva, mas como na tracklog, viramos a direita para uma ataque ao Portais de Hércules. Mas para quem estiver realizando a travessia, deverá que levar em conta o desgaste físico. Mas todo é imprescindível passar por um dos mirantes mais bonitos do Parnaso, se não o mais bonito.
- Outro ponto de ataque válido é a Cachoeira Véu da Noiva no início da travessia, não há desgaste físico algum para seguir em frente.
- Mirante do Inferno com uma linda visão para a Agulha do Diabo, no terceiro dia seria nosso terceiro ataque, mas infelizmente o tempo não nos ajudou, então seguimos direto.
- Em relação aos pontos técnicos realizados no segundo dia (aconselhável levar 10m de corda): Elevador é uma subida íngreme com “degraus”, só é preciso um pouco de atenção; Mergulho é uma descida bem inclinada, com um ponto de deslocamento da descida até uma pedra; Cavalinho o ponto mais crítico, aconselhável alguém com experiência para auxiliar nesse trecho; Coice outro ponto técnico após o Cavalinho… ambos os últimos três existem pontos de ancoragem para corda.
- Os abrigos recolhem lixos orgânicos, mas todo o restante de lixo deverá ser levado de volta.


DESCRIÇÃO Detalhada (fonte: ICMBio)

ROTEIRO DA TRAVESSIA

O roteiro recomendado tem início na Portaria do parque em Petrópolis, localizada no bairro do Bonfim, e duração de 3 dias. O sentido Petrópolis-Teresópolis se justifica tanto pela menor dificuldade na passagem de determinados trechos críticos, quanto pela beleza da paisagem, podendo-se admirar de frente a majestosa cadeia de montanhas da Serra dos Órgãos.

Primeiro dia: Bonfim-Castelos do Açú
Duração estimada: 6 horas
Subida Açu

A caminhada até o Açú é considerada pesada devido à grande variação altitudinal. Parte-se da portaria do parque (cerca de 1.100m de altitude), chegando-se a 2.245m na Pedra do Açú. A caminhada é relativamente curta (pouco mais de 7 Km de extensão) mas demora cerca de 6 horas para o montanhista médio.

A travessia começa na Sede Petrópolis do PARNASO, no bairro do Bonfim. Após cerca de 40 minutos na trilha chega-se à entrada para a Gruta do Presidente e a Cachoeira Véu da Noiva. Mais 50 minutos de caminhada e chega-se à Pedra do Queijo, um bom local para descanso com vista panorâmica para o Vale do Bonfim e os picos da Alcobaça, do Alicate e outras montanhas de Petrópolis. Após mais 40 minutos de subida chega-se ao Ajax, local com fonte de água. O acampamento é proibido no local.

Após a passagem pelo Ajax inicia-se o trecho de subida mais íngreme de Petrópolis. Conhecido como Isabeloca, em homenagem a uma suposta passagem pelo local da princesa Isabel em lombo de mulas, este trecho encontra-se bastante erodido. A situação é agravada pelos diversos atalhos que a equipe do parque e voluntários vêm tentando fechar para evitar o agravamento da situação.

Ao fim da Isabeloca chega-se ao Chapadão, trecho mais plano de onde já se avista a Pedra do Açu, também conhecida como pico do Cruzeiro, ponto mais alto de Petrópolis, e os Castelos do Açu, interessante formação rochosa cheia de reentrâncias onde é possível se abrigar da chuva e do vento.

Próximo aos Castelos do Açu existe um dos dois Abrigos de Montanha ao longo da Travessia (o outro sendo na Pedra do Sino) e a área de camping adjacente. Este é o local do primeiro pernoite.

Em noites abertas é possível observar as luzes da cidade do Rio de Janeiro e a Baixada Fluminense.



Abrigo

Segundo dia: Castelos do Acú-Pedra do Sino
Duração aproximada: 7 horas (sem ataque ao Portais de Hércules)
Após o espetáculo do nascer do sol atrás da Serra dos Órgãos, inicia-se o segundo dia de caminhada. Neste trecho é indispensável a presença de guia experiente. É frequente a ocorrência de montanhistas perdidos, principalmente em dias com muita neblina. A caminhada é quase toda nos campos de altitude, formação vegetal de pequeno porte que, no Estado do Rio de Janeiro, só ocorre na Serra dos Órgãos, em Itatiaia e no Parque Estadual do Desengano.

Seguindo na direção leste chega-se ao Morro do Marco após cerca de 30 minutos. O local é facilmente identificado pela pirâmide de pequenas pedras que dá nome ao morro.

No Morro do marco é possível pegar uma variante da trilha e conhecer os Portais de Hércules, uma espécie de mirante na beira das vertentes mais inclinadas da Serra dos Órgãos, com bela visão do vale da Morte.

Descendo o Morro do Marco, em cerca de 30 minutos chega-se ao Vale da Luva, local coberto pela interessante mata nebular, com grande abundância de plantas epífitas, entre as quais destacam-se orquídeas endêmicas da Serra dos Órgãos. O Vale é cortado por um pequeno riacho onde é possível se refrescar e encher os cantis. O local é uma alternativa de acampamento para aqueles que pretendam fazer a travessia com apenas um pernoite ou para roteiros mais longos do que três dias.

Em seguida inicia-se a subida do Morro da Luva. O cume é atingido em cerca de 30 minutos. Após a descida em superfície rochosa, onde a trilha não é bem marcada e o risco de se perder em dias de neblina é alto, chega-se à Cachoeirinha (mais 30 minutos), local com água abundante e ponto recomendado para descanso.

A subida do Elevador, logo após a Cachoeirinha, é uma escada de ferro que exige equilíbrio para passar com mochilas cargueiras. Na seqüência chega-se, após cerca de 40 minutos, ao Morro do Dinossauro, um dos pontos mais altos do parque, de onde já é possível avistar a Pedra do Sino, o Vale das Antas e a Pedra do Garrafão. A descida até o Vale das Antas leva cerca de 40 minutos. No vale estão outras nascentes do Rio Soberbo e o local tem água o ano inteiro. O camping é proibido no local em função da fragilidade do ambiente e das nascentes do rio Soberbo.

Meio travessia

Após mais uma subida íngreme chega-se ao Dorso da Baleia, em frente à vertente da Pedra do Sino. Do local é possível avistar a maior parede de escalada (bigwall) do Brasil, onde estão as vias Franco-Brasileira e Terra de Gigantes. Após a descida de uma grota, inicia-se a subida do paredão que leva à Pedra do Sino. A subida é íngreme e a passagem conhecida como Cavalinho é o ponto mais perigoso da travessia, sendo obrigatório o uso de cordas.

Após o Cavalinho, o montanhista segue por uma estreita trilha que contorna a Pedra do Sino até encontrar a trilha de subida para o cume, ponto culminante da Serra dos Órgãos (2.263m). Dependendo da hora de chegada neste ponto, pode-se optar pela subida ao cume ou descida para montar o acampamento ou se instalar no abrigo da Pedra do Sino (Abrigo 4). É proibido acampar no cume da Pedra do Sino.

A subida até a Pedra do Sino à noite é altamente recomendável, principalmente em noites de tempo bom. A vista da cidade do Rio de Janeiro à noite é impressionante e vale o passeio.

Terceiro dia: Pedra do Sino-Teresópolis
Duração estimada: 4 horas
Sino

O percurso do terceiro dia inclui apenas a descida da Pedra do Sino até a Sede Teresópolis do PARNASO. São 11 Km de descida relativamente suave com belas vistas do município de Teresópolis e do Parque Estadual dos Três Picos. Recomenda-se uma nova subida ao cume da Pedra do Sino para admirar o nascer do sol.

Abaixo da cota 2000m, a estrutura da vegetação começa a mudar. O campo de altitude é substituído por uma mata nebular, com grande quantidade de bromélias e orquídeas. A trilha sombreada pela mata passa pelas ruínas do antigo Abrigo 3, local de descanso com mirante. Os vestígios do antigo Abrigo 2 são difíceis de reconhecer em meio à vegetação.

Uma alternativa para aqueles que desejam mais aventura é fazer outras trilhas com acesso a partir do Abrigo 4, como a trilha do Garrafão, antes de descer.

Na descida passa-se por duas cachoeiras, com destaque para a Véu da Noiva de Teresópolis com cerca de 16 metros de queda.
Ponte
Time: 14 de out de 2018 07:16:12 Speed: 0,16 km/h Elevation: 2131 m Time from start: 48:07:37 Distance from start: 22,37 km
Abrigo 1 Trekking Sino Teresópolis Teresópolis, Rj, BRA
Abrigo 2 Trekking Sino Teresópolis Teresópolis, Rj, BRA
Camping Trekking Sino Teresópolis Teresópolis, Rj, BRA
Cachoeira
Cachoeira
Véu Da Noiva
"...a partir desse ponto, inicia-se a Isabeloca, subida pesada que, diz a lenda, recebeu esse apelido por causa de uma suposta visita da Princesa Isabel (conhecida como “A Louca”, daí Isabeloca) aos Castelos de Açú, carregada por escravos em uma liteira."
Pedra Do Marco
Morro Da Luva
Trecho mais crítico da travessia. Se possível realizá-lo com alguém experiente. Utilize corda para puxar a mochila, e se possível cadeirinha e corda como segurança.
Um dos mirantes mais belos do Parnaso!
Camping pequeno. Opte por acampar atrás do Castelo do Açu em caso de lotação. Mas antes, confirme com o guarda parque se está sendo permitido.
Tempo fechado, não deu para ir até a Cruzeiro e nem fotografa-lo
Ponto de água, abasteça pois a Isabeloca começará logo a frente.

Comments

    You can or this trail