Moving time  5 hours 2 minutes

Time  7 hours 39 minutes

Coordinates 3457

Uploaded April 22, 2019

Recorded April 2019

-
-
552 f
184 f
0
3.5
7.0
14.02 mi

Viewed 171 times, downloaded 14 times

near Odeceixe, Faro (Portugal)

Ali, aninhada na encosta da serra, virada para a ribeira, vestida de branco, enfeitada de azul celeste refletido nas casas e azul marinho no olhar, Odeceixe tem a beleza das coisas simples, simples como as gentes que ali nasceram e aprenderam a amar a várzea, a acariciá-la tirando dela o pão; que aprenderam a amar o mar que lhes oferta seus sabores, que vivem aspirando a maresia que sobe pelo Vale e respirando perfumes de mil flores que descem do cabeço.
Odeceixe tem ainda o silêncio e frescura matinais quando entramos no Retiro do Adelino para o café da manhã antes de nos fazermos ao caminho. Descemos a Rua Nova para encontrar a sinalização na esquina com a Rua do Outão. Subimos até à Igreja de N.ª Sr.ª da Piedade, ainda fechada àquela hora, atalhamos pela Travessa das Camélias e começamos a gastar, muito lestos, o pequeno almoço, subindo as escadas até à Rua 25 de Abril. As casas típicas com "saias" coloridas, em que a cor do céu reflete sonhos de mar, espreguiçam-se à nossa frente refletindo a luz da manhã.
Cá em cima, o moinho. Preservado, testemunhando saberes dos avós, mostra nus os seus "braços", sonhando brisas de mar e sopros da serra que as suas brancas velas hão de colher quando o velho moleiro desenrolar o "bolacho". Tem ali, também plantado, um miradouro, atapetado de madeira, de onde se aprecia os meandros do Seixe espreguiçando-se até à foz, como quem saboreia os primeiros minutos de uma manhã de primavera. Wadi Seixo - Rio de Pequenas Pedras - assim nasceu Odeceixe com lendas de mouras encantadas e santos de pau que renascem da cabeça de outros santos; com estórias de moleiros e pescadores, com sabores de peixe e mariscos; com odores de serra e de mar.
Saímos do moinho rumando ao alto acompanhando as singelas e alegres casinhas da rua 25 de Abril. Decidimos seguir um caminho que já não tem sinalização da Rota Vicentina, por isso confirmo o  GPS e... ó diabo! Os satélites passaram-se ou quê?... Está práqui uma baralhada... bem, a solução técnica impõe-se: desligo a App e volto a ligá-la. Resultou. Temos agora que corrigir a rota. Localizamos o Canal de Rega de Odeceixe do Aproveitamento Hidroagrícola do Mira. Vamos segui-lo até ao Rogil e voltaremos a ele para o acompanhar até ao Barranco de Falcate.
Seguimos por um estreito e agradável carreiro à beirinha do canal. Construído na década de 60 do século passado estende-se por dezenas de Kms e irriga uma área de mais 12.000 ha. Nasce na barragem de Santa Clara atravessa montes e vales e aqui vai ele para nosso deleite.
De um e outro lado vêem-se mais terrenos por cultivar que aqueles que estão "amanhados". Amanham-se agora as pessoas mais com outros frutos que não os que a terra dá. É que para que a terra dê exige esforço, suor, dedicação e amor. E, por vezes, a paga é regateada se não diminuta.
Exceção é um imenso campo de proteas. Quão lindo ficará este campo quando florirem!
O carreiro é apertado, sempre plano e, dos lados, pleno de flores campestres.
Algumas orquídeas selvagens vão fazendo as delícias destes amantes daquilo que melhor a natureza tem.
Olham-se as comportas que controlam o fluxo hídrico. Aprecia-se a técnica de entrega nas bocas de rega. A maquia está de acordo com o caudal disponibilizado. -"Se é precisa pouca água abre-se a palheta de 5. Se é preciso um caudal maior pode abrir-se a palheta de 10 ou a de 20 ou mesmo a de 10 e a de 5" . Explica quem sabe, e pronto. Há alfaias mecânicas a enferrujadar aqui e além, fruto do desinteresse pela terra.
Sem cansaço de pernas mas com o da pena que nos dá ver terra boa e recursos desperdiçados, somos ao Rogil chegados. Passamos o Museu da Batata Doce sem disso fazermos fé. Para trás não apetece voltar. Vingamos o desaire entrando no Pão do Rogil. Então foram empadas de espinafres com alheira, empadas de espargos e espinafres e cerveja. Depois foram os pastéis de nata e alfarroba, os pastéis de nata e batata doce os bolinhos secos de figo e batata doce para o caminho... e mais não digo.
Retomamos o rumo da sinalização para, duzentos metros após, reencontrarmos o nosso já familiar canal. Seguimo-lo até ao Barranco de Falcate.
Feitas as despedidas ao canal que nos acompanhou durante mais de uma dezena de kms, entramos num caminho rural para, um pouco à frente, tomarmos a direcção do circuito da Praia da Amoreira.
Por caminhos ensombreados por pinheiros, de novo somos chegados à costa atlântica, à areia das dunas e ao odor da maresia.
Já em etapas anteriores encontrámos as Armeria Welwitschii mas aqui enfeitam todo o caminho. Aparecem também muitos goiveiros-da=praia com miríades de flores púrpura. A descida para a bela Praia da Amoreira tem as encostas plenas de rasteiras estevas. Soubemos aqui que se trata de uma subespécie autóctone denominada "Esteva-de-Sagres".
Descemos à Amoreira mas o vento fez com que nos abrigássemos para comer o parco farnel empacotado nas mochilas.
Seguindo a sinalização, caminhamos um pouco pelo asfalto, cortamos no primeiro caminho à esquerda que nos leva por vales e montes na direcção de Aljezur.
Não chegamos lá. Encontramos o parque de campismo do Serrão. A promessa de uma "massada de peixe" para o jantar que o simpático e singular António José disse que "era o que se arranjava", a incerteza de alojamento em Aljezur e o belo aspeto das casinhas do parque convenceram-nos a ficar. Não nos arrenderíamos porque tudo é bom neste parque até o preço.
Amanhã há mais.
Photo

Igreja de N.ª Sr.ª da Piedade

Photo

Casas singelas vestidas de branco e debroadas a azul

Photo

O Moinho de Odeceixe, hoje de costas para a várzea

Photo

O Canal de Odeceixe

Photo

Pelo carreirinho à beira do canal

Photo

Jarros no valado e lírios à beira do canal

Photo

As Bocas de Rega com as palhetas de seleção de caudal

Photo

Comporta de controlo de fluxo

Photo

Em morte lenta

Photo

Campos de flores

Photo

Uma acácia jovem que parece um eucalipto

Photo

Serapias e Sargaços

Photo

O Limpa Garrafas (Callistemon viminalis)

Photo

Ponte desafiante

Photo

Trocando de margem

Photo

Dois caminhos

Photo

Mais uma ponte a não experimentar

Photo

Descansando

Photo

Campo de Proteas

Photo

Pastagem

Photo

Enublando à beira do Canal

Photo

Serapia Lingua e flores de macieira

Photo

Rosmaninho

Photo

População do canal

Photo

Chegando ao Rogil

Photo

Quem explica este topónimo?

Photo

Escultura aos apanhadores de percebes

Photo

Continuando seguindo a linha d'água

Photo

Morrião (Anagallis arvensis)

Photo

A casa da herdade

Photo

Todas as coisa têm um fim

Photo

A casa azul

Photo

Tão só

Photo

De novo à vista do Atlântico

Photo

Armeria welwitschii

Photo

Pelas dunas

Photo

rasteirinha, a subspécia da Esteva denominada Esteva de Sagres

(Cistus ladanifer sulcatus)
Photo

Esteva-de-Sagres sem chagas

Photo

Praia da Amoreira

Photo

Goiveiro-da-Praia (Malcolmia littorea)

Photo

Um charco no campo

Photo

A 'nossa' Casinha no Parque do Serrão

Comments

    You can or this trail